Ministério cria grupo de trabalho para definir medida de apoio às cooperativas agrícolas

O Ministério da Agricultura e da Alimentação anunciou a criação do Grupo de Trabalho “Cooperativas Agrícolas 20|30”, que visa «a avaliação e proposta de criação de uma medida de apoio à reestruturação, redimensionamento e competitividade das cooperativas agrícolas». Este grupo de trabalho é composto por representantes da Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal (Confagri), da Direcção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR), do Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral (GPP), Instituto de Financiamento de Agricultura e Pescas (IFAP) e Instituto da Vinha e do Vinho (IVV).

Segundo o Ministério, este grupo de trabalho terá de apresentar à tutela, até 30 de Junho de 2023, o relatório e a proposta de medida específica de apoio à reestruturação, redimensionamento e competitividade das cooperativas agrícolas, no quadro do Plano Estratégico da Política Agrícola Comum (PEPAC 2023-2027). A entidade considera ser «da maior prioridade a criação de uma medida específica, capaz de contribuir para combater o definhamento socioeconómico e o abandono agrícola e rural, bem como para a promoção da coesão territorial».

De acordo com o Ministério, os «objectivos essenciais» desta medida são os seguintes: «aumentar a dimensão económica e social das cooperativas; melhorar a capacitação de dirigentes, gestores e associados; melhorar as práticas comerciais, revalorização e inovação da gama de produtos e promoção da internacionalização; garantir o acesso ao mercado a diversos tipos de agricultura, que presentemente não o têm, e a produções locais de pequena escala, nomeadamente pela comercialização dos produtos locais em cadeias curtas de comercialização e vendas electrónicas; melhorar a prestação de serviços aos associados, apoiando-os tecnicamente no ajustamento dos métodos de produção às exigências actuais dos mercados». O despacho que cria este grupo de trabalho indica que a importância do papel do sector cooperativo «não se prende somente com as funções de concentração da oferta, planeamento da produção, orientação para o mercado e valorização da produção», mas que «as cooperativas assumem também outras funções de grande relevo, designadamente na esfera da socio-demografia, economia territorial, ambiental, político-administrativa e cultural».

O Ministério realça ainda que «o sector cooperativo, no âmbito da agricultura nacional, assume uma intervenção determinante e representa quotas de mercado muito significativas nalguns sectores, como as frutas e o azeite, o vinho e o leite», e que esta iniciativa «envolve o sector» na criação de uma medida específica de apoio à reestruturação, redimensionamento e competitividade das cooperativas agrícolas. Por sua vez, a ministra da Agricultura e da Alimentação sublinha que «a cooperação, o diálogo e a construção participada de políticas públicas que respondam, com eficácia, aos desafios permanentes, enfrentados pelos agricultores portugueses, são peças fundamentais de um trabalho diário e inesgotável», e que «o processo de modernização da agricultura portuguesa tem que ser acompanhado por um trabalho de organização económica das fileiras agropecuárias, para o qual o sector cooperativo tem condições para dar um contributo ainda mais determinante, na medida em que apresenta importantes potencialidades e vantagens, especialmente num contexto de estruturas produtivas fragmentadas, como é o caso do nosso país».

A Confagri refere que, «aproveitando a proximidade da entrada em vigor do PEPAC», lançou ao Governo, através do Ministério da Agricultura e da Alimentação, o desafio de se criar medidas específicas para «reestruturar e redimensionar as cooperativas agrícolas, que permitam melhorar a concentração da oferta, comercialização e escoamento da produção nacional». Ao mesmo tempo, diz a entidade, propõe-se «a tornar o sector cooperativo como uma via útil à fixação de jovens no interior, através da sua capacitação para a gestão dos sectores agrícolas cooperativos».

A propósito da criação deste grupo de trabalho, Idalino Leão, presidente da Confagri, comenta que «as cooperativas agrícolas, pela sua dimensão e representatividade em todos os sectores da agricultura e em todo território nacional, merecem e precisam desta medida estratégica, que promova e potencie a capacitação institucional das organizações, que as prepare e que vá ao encontro dos novos desafios da agricultura». «Este sector tem de ser assumido como estratégico para a soberania nacional, diria mesmo que o país tem o dever de assumir o sector agrícola como um desígnio nacional», conclui Idalino Leão.

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Notícias Recentes

posts flf (87)
Frutos Secos
CNCACSA1
Disponibilizadas gravações da conferência sobre alterações climáticas organizada pelo CNCACSA
AgroBiotech1
CAP e P-Bio divulgam relatório do estudo de aplicação de biotecnologia

Notícias relacionadas

posts flf (87)
Frutos Secos
Consulte aqui todos os artigos do Grande Plano de Dezembro dedicado aos Frutos...
CNCACSA1
Disponibilizadas gravações da conferência sobre alterações climáticas organizada pelo CNCACSA
O Centro Nacional de Competências para as Alterações Climáticas do Sector Agroflorestal...
AgroBiotech1
CAP e P-Bio divulgam relatório do estudo de aplicação de biotecnologia
No âmbito do colóquio «AgroBioTech: Uma estratégia para a agrobiotecnologia...
Milho
PDR 2020 com taxa de execução de 87%
O Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 (PDR 2020) atingiu uma “Taxa de...