FIPA apresenta a partidos desafios e prioridades da indústria agroalimentar

No âmbito das eleições legislativas que têm lugar a 10 de Março em Portugal, a Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares (FIPA) realizou uma ronda de reuniões com os partidos políticos que tradicionalmente têm assento parlamentar. Nessas reuniões, elencou «os principais desafios que se colocam à indústria agroalimentar, bem como as iniciativas que têm colocado em causa a reputação de um sector que é estratégico para a economia nacional», tendo ainda entregue o documento “Um compromisso nacional para a indústria agroalimentar – Prioridades estratégicas”, que «contém informação muito actual e apoiada na realidade do mercado».

Do conjunto das preocupações que assinalou, a FIPA destaca três:

• Adequação da política fiscal à competitividade – «Portugal tem hoje uma das taxas médias de IVA mais elevadas da Europa sobre os alimentos e bebidas e conta também com uma adicional e pesada carga fiscal sobre as bebidas açucaradas e as bebidas alcoólicas, por via de impostos especiais de consumo (IEC). Esta situação promove a discriminação negativa de alguns alimentos e bebidas e, no caso dos IEC, coloca em causa, de forma generalizada, a reputação de um sector estratégico para a economia, promotor de altos padrões de segurança dos alimentos e com provas dadas ao nível da inovação.»

• Abastecimento nacional e infraestruturas – «O país necessita de ter uma visão clara para a criação de uma rede de infraestruturas sólida e competitiva, particularmente ao nível portuário, de forma a garantir o regular abastecimento de matérias-primas e o regular fluxo de exportações, e reforçar as capacidades necessárias para a criação de stocks de segurança. A redução da dependência externa no abastecimento de matérias-primas deverá ser uma prioridade.»

• Exportação de produtos e internacionalização das empresas – «A conjuntura, nacional e internacional, é desafiante e, embora os números deixem perceber um incremento ao nível das exportações, o sector ambiciona mais. Para tal, é necessário um maior empenho no eliminar de barreiras alfandegárias em várias latitudes.»

A propósito destas preocupações, a FIPA afirma que «os último governos e representantes do povo na Assembleia da República não têm olhado para a indústria agroalimentar como um sector estratégico para o país». Segundo Jorge Henriques, presidente da FIPA, «esta indústria transformadora é a que mais contribui para a economia nacional, tanto em volume de negócios (22,4 mil milhões de euros) como em valor acrescentado bruto (3,8 mil milhões de euros), além de ser a indústria que mais emprega em Portugal – mais de 112.000 postos de trabalho directos e cerca de 500.000 indirectos».

O presidente da FIPA diz que, na ronda de reuniões com os partidos, «ficou lançado, entre outros, o desafio de enquadramento, durante a próxima legislatura, dos produtos alimentares na taxa reduzida de IVA, 6%». «Acreditamos, por isso, que o sector será finalmente compreendido e as suas reivindicações atendidas. Afinal, numa economia mundial bastante agressiva, a indústria agroalimentar que opera em Portugal dá cartas e pode contribuir para o equilíbrio da respectiva balança comercial», referiu Jorge Henriques.

Pode consultar aqui o documento “Um compromisso nacional para a indústria agroalimentar – Prioridades estratégicas”.

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Email

Notícias Recentes

Alqueva
EDIA disponibiliza Anuário Agrícola de Alqueva de 2023
4a
Grow Field Days promove visitas de campo com foco no microbioma do solo
fig-972271_1280
Workshop “Figos para o Futuro: capacitar os pequenos produtores através do desenvolvimento de novos modelos de negócio”

Notícias relacionadas

Alqueva
EDIA disponibiliza Anuário Agrícola de Alqueva de 2023
A Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas de Alqueva (EDIA) disponibilizou...
4a
Grow Field Days promove visitas de campo com foco no microbioma do solo
No âmbito da iniciativa “Grow Field Days”, com o mote “De agricultor para agricultor!”,...
fig-972271_1280
Workshop “Figos para o Futuro: capacitar os pequenos produtores através do desenvolvimento de novos modelos de negócio”
O projecto InovFarmer.MED apresenta o seu primeiro workshop, focado na cadeia...
FLF 250_entrevista_porbatata
«Tem de haver uma maior partilha de risco»
As perpespectivas para a campanha, os problemas com a batata de semente e o...