Firmino Cordeiro apela a mais intercooperação na CPLP

Firmino Cordeiro, a título de balanço desta importante cimeira, defende «ser importante falar dos casos de sucesso, nomeadamente de Portugal e Brasil, de cooperativas, nas suas diferentes áreas». No entanto, relembrou que estamos a fazê-lo numa comunidade de países, CPLP – Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, «onde o movimento cooperativo está longe de ser perfeito».

«Sendo certo que o desenvolvimento do sector agroalimentar é acompanhado pela evolução e adesão de uma boa parte dos agricultores ao modelo cooperativo, seria extremamente importante reforçar a sua implementação nos países onde ainda é insipiente e melhorar a capacidade destas estruturas, onde as cooperativas voltadas para este sector são ainda muito frágeis, isto é, com pouca participação, noutras actividades e poucos meios para implementar novos procedimentos, novas estratégias que possam ser úteis a cada um, e a todos os sócios», disse.

Nesse sentido, Firmino Cordeiro apelou «à necessidade de mais intercooperação na CPLP, na disseminação de modelos cooperativos, na formação de dirigentes e na importância que esta realidade pode ter em todas as dimensões da vida dos agricultores e suas famílias, componente económica, ambiental e social».

No pressuposto de atingir estes objectivos, o também director geral da AJAP – Associação dos Jovens Agricultores de Portugal defende que «cabe muito a Portugal e ao Brasil, no contexto da CPLP, fazerem esse trabalho, de divulgação, formação e técnico à volta das vantagens destes modelos cooperativos em perfeita interacção e articulação com os restantes países desta importante comunidade».

Aponta que os primeiros esforços «vão no sentido de aumentar o grau de autoabastecimento alimentar em todos os países, e em simultâneo, ir preparando as estratégias para potenciar as culturas e produtos, onde cada país pode produzir com qualidade, e de forma sustentável para exportação».

«O Brasil é, sem dúvida, um gigante, ao nível da produção mundial e das commodities como por exemplo milho, soja, cana-de-açúcar e café, e Portugal, devido à sua integração na União Europeia (UE), é já um player interessante em tecnologia, inovação e organização dos produtores e na certificação de produtos de excelência como azeite, vinho, frutas, enchidos, compotas, queijos e hortícolas», adiantou.

«É assim necessário acelerar estes procedimentos nesta comunidade de países, num contexto de alterações climáticas, de previsão de aumento significativo da população a nível mundial, e na escassez de recursos como água e solos em muitas geografias do planeta. Esta melhoria e aumentos da produtividade tão necessários nestes países, podem em parte ser sustentados por modelos de cooperativas agrícolas, de crédito, de ensino, de habitação, apoio social e outras», acrescentou.

Por esta razão, sugeriu que devia haver, no futuro, uma rotatividade da Cimeira entre os vários países, precisamente para todos poderem envolver-se neste trabalho, essencial e importante, no contexto da economia dos países que falam a Língua Portuguesa.

O presidente da Globalcoop partilhou ainda nesta cimeira algumas das preocupações que afectam actualmente os sectores agrícola e agroalimentar em Portugal, à cabeça a escassez de água, um problema limitante de uma parte significativa da agricultura que hoje se pratica em sequeiro, muito associado às alterações climatéricas, e o facto de mesmo sendo um país pequeno, não temos impedido as migrações em larga escala de pessoas dos territórios rurais para os urbanos. E, por conseguinte, desertificando uns de vidas humanas e mais expostos aos incêndios rurais, e massificando os urbanos, com todos os problemas que uma e outra situação acarretam ao país, ao seu desenvolvimento e ao bem-estar das suas populações.

Vídeo da sessão, aqui.

A II Cimeira Internacional de Cooperativas de Língua Portuguesa (CICLP) foi organizada pela Caixa de Crédito Agrícola e Mútuo de Torres Vedras, pela Cooperativa do Povo Portuense e Instituto Antero de Quental.

Esta II Cimeira teve como objectivo «compartilhar boas práticas cooperativas nacionais e internacionais, promovendo parcerias e cooperação com base nos princípios da Aliança Cooperativa Internacional». Além disso, pretendeu debater novos modelos de organização para garantir a sustentabilidade ambiental, social e económica.

O evento decorreu entre 3 e 5 de Novembro, em Torres Vedras.

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Email

Notícias Recentes

José Manuel Fernandes
José Manuel Fernandes é ministro da Agricultura e Pesca do XXIV Governo Constitucional
3b
Santarém recebe III Colóquio sobre o Uso Sustentável dos Pesticidas a 24 de Maio
Alqueva
EDIA disponibiliza Anuário Agrícola de Alqueva de 2023

Notícias relacionadas

José Manuel Fernandes
José Manuel Fernandes é ministro da Agricultura e Pesca do XXIV Governo Constitucional
O até agora eurodeputado José Manuel Ferreira Fernandes é o nome proposto para...
3b
Santarém recebe III Colóquio sobre o Uso Sustentável dos Pesticidas a 24 de Maio
A Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Santarém (ESAS) vai ser...
Alqueva
EDIA disponibiliza Anuário Agrícola de Alqueva de 2023
A Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas de Alqueva (EDIA) disponibilizou...
4a
Grow Field Days promove visitas de campo com foco no microbioma do solo
No âmbito da iniciativa “Grow Field Days”, com o mote “De agricultor para agricultor!”,...