Regantes debateram oportunidades e soluções de energia fotovoltaica em regadio

“Bombagem fotovoltaica em regadio: soluções e boas práticas” foi o tema de um seminário realizado a 10 de Março, em Aljustrel, pela Federação Nacional de Regantes de Portugal (Fenareg), pela Universidade de Évora e pela Associação de Beneficiários do Roxo (ABRoxo). No evento, que foi direccionado para aproveitamentos hidroagrícolas e contemplou ainda uma visita técnica às instalações fotovoltaicas da ABRoxo, estiveram em foco as oportunidades de investimento, as soluções e as boas práticas de bombagem fotovoltaica no regadio colectivo, bem como o problema do aumento dos custos de energia.

Em destaque esteve o projecto-piloto para a criação de uma Comunidade de Energia Renovável, que a ABRoxo e a Fenareg estão a implementar em Montes Velhos, Aljustrel, e que constitui um modelo que a federação pretende replicar em perímetros de rega noutras regiões do país, como explicou José Núncio, presidente da Fenareg. «Vamos avançar experimentalmente com uma comunidade de energia, envolvendo uma agroindústria e aproveitando a capacidade excedentária de produção de energia da ABRoxo, com vantagens para ambas. A indústria comprará a energia mais barata e a ABRoxo venderá a energia excedentária que produz neste sistema de painéis solares a preço mais elevado.»

Além das oportunidades para a descarbonização do regadio colectivo que resultam do uso da energia solar, esta também ganha relevo face à a subida acentuada do preço da energia, que «obriga» as associações de regantes a encontrar alternativas para ter fontes de energia mais barata. «O preço da energia em 2021 rondava os 60 euros/megawatt e este ano já está em 500 euros/megawatt. É um custo incomportável. Felizmente que apostámos na energia solar. O nosso objectivo é produzir energia limpa para fornecer água aos agricultores a um preço competitivo e compatível com os seus custos de produção cada vez mais elevados. No regadio do Roxo, estamos a falar de energia fotovoltaica, mas também hídrica, e poderão surgir outras. Precisamos de fontes de energia alternativas mais baratas e mais amigas do ambiente», disse António Parreira, presidente da ABRoxo. Em 2018, esta associação de regantes instalou painéis fotovoltaicos para bombear água da barragem do Roxo e «conseguiu poupar em média 26% na factura da electricidade e reduzir as emissões de carbono em 235 toneladas de CO2 equivalente/ano», refere um comunicado da Fenareg.

No seminário, foi realçado que as associações de regantes, que gerem 40% da área de regadio em Portugal, podem recorrer actualmente a apoios públicos para instalação de painéis fotovoltaicos nos aproveitamentos hidroagrícolas, através de financiamento do Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 (PDR 2020). Vítor Cordeiro, coordenador da área de investimento e riscos da Autoridade de Gestão do PDR 2020, sublinhou que as candidaturas decorrem até 22 de Abril, que a dotação orçamental do concurso é de seis milhões de euros e que a taxa de apoio é de 40% do valor do investimento, com um montante máximo elegível de 500.000 euros e um valor máximo elegível de 1,35 euros/watt.

Luís Fialho, docente na Cátedra de Energias Renováveis da Universidade de Évora, apresentou soluções e boas práticas para sistemas de bombagem fotovoltaica, recomendando painéis fotovoltaicos seguidores de eixo Norte-Sul horizontais. «Este modelo tem um perfil diário de disponibilidade de energia mais amplo do que uma instalação tradicional fixa orientada a Sul e, portanto, garante mais horas de energia para bombagem da água no Verão e menos horas no Inverno, quando a rega é menos necessária, reduzindo ao mínimo o excedente de energia injectada na rede». Luís Fialho – que participa no projecto internacional de investigação aplicada “SolaQua – Irrigação solar acessível, fiável e económica para a Europa e países próximos” – afirmou também que, para terrenos inclinados, os painéis de tipo delta, orientados a Norte-Sul, com módulos virados a Este e Oeste, são os mais indicados, e avisou para a importância de incluir cláusulas de especificações técnicas dos equipamentos e de controlo de qualidade nos contratos a celebrar com as empresas instaladoras.

«A introdução de energia verde neste sector é superimportante e mais importante ainda é produzir descentralizado, para que cada agricultor possa suprir as necessidades energéticas da sua exploração. Aos actuais preços da energia e com a crescente instabilidade no mercado internacional e no mercado ibérico de energia, para termos alguma sustentabilidade no sector agrícola a única via é fazer esta entrada de energias verdes a baixo custo», concluiu o docente. Rogério Ferreira, director geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural, salientou ainda que «no regadio colectivo nacional há muitos e bons exemplos de eficiência hídrica e o sector está a iniciar o caminho para a eficiência energética e descarbonização através da utilização de energias limpas; é um percurso que vamos continuar a incentivar»

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Notícias Recentes

Sogrape Sustentabilidade
Sogrape certificada pelo Referencial Nacional de Sustentabilidade do Sector Vitivinícola
posts flf (87)
Frutos Secos
CNCACSA1
Disponibilizadas gravações da conferência sobre alterações climáticas organizada pelo CNCACSA

Notícias relacionadas

Sogrape Sustentabilidade
Sogrape certificada pelo Referencial Nacional de Sustentabilidade do Sector Vitivinícola
A empresa portuguesa de vinhos Sogrape obteve a certificação pelo “Referencial...
posts flf (87)
Frutos Secos
Consulte aqui todos os artigos do Grande Plano de Dezembro dedicado aos Frutos...
CNCACSA1
Disponibilizadas gravações da conferência sobre alterações climáticas organizada pelo CNCACSA
O Centro Nacional de Competências para as Alterações Climáticas do Sector Agroflorestal...
AgroBiotech1
CAP e P-Bio divulgam relatório do estudo de aplicação de biotecnologia
No âmbito do colóquio «AgroBioTech: Uma estratégia para a agrobiotecnologia...