Presidente da Confagri pede que agricultura seja «desígnio nacional»

No encerramento da reunião extraordinária do Conselho Geral da Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal (Confagri), que teve lugar a a 13 de Janeiro em Viseu, o presidente da entidade, Idalino Leão, defendeu que «é justo e estratégico que o poder político promova a agricultura e a produção agrícola como um verdadeiro desígnio nacional, assumido por todos os intervenientes – afinal, é de alimentos, gente e território que estamos a falar». Na sessão de encerramento, que contou com a presença de Maria do Céu Antunes, ministra da Agricultura e da Alimentação, Idalino Leão elencou as principais preocupações que tinham sido abordadas no evento e lançou «uma série de desafios, propostas e desabafos sobre o presente e futuro da agricultura nacional», dirigidos à Ministra da Agricultura, «num tom muito duro e assertivo», relata um comunicado da Confagri.

Para a entidade, «este é um período importante para todo sector agrícola nacional, pois estamos nas vésperas do início de um PEPAC [Plano Estratégico da Política Agrícola Comum], que traz com ele mais burocracia, mais exigências e menos apoios», sendo «importante que o sector viva com serenidade, para que as organizações consigam arrancar com uma boa execução do mesmo». Neste contexto, Idalino Leão referiu que «se deve reflectir muito bem sobre a data de início da abertura das candidaturas, quando ainda nem sequer as portarias estão publicadas».

Relativamente ao PEPAC, o presidente da Confagri disse ainda que a entidade defenderá sempre que as ajudas sejam canalizadas para a produção e que a gestão activa e produtiva do território é uma premissa que não vai abandonar. «Com este PEPAC, teremos novos mecanismos, como os chamados Ecorregimes. Mas atenção: dada a sua importância, é fundamental que os mesmos sejam exequíveis pelos agricultores de todos os territórios», comentou.

Idalino Leão, presidente da Confagri

Idalino Leão apontou a questão geracional como «o maior falhanço da PAC» – «esta é uma situação que todos os governos, sem excepção, assumem como uma lacuna que tem de ser resolvida, mas infelizmente os números falam por si» –, deixando o apelo: «Temos de captar jovens para este sector». Também foi sublinhado que «a problemática dos baldios, o aumento dos custos com a sanidade animal ou a falta de inspectores sanitários são alguns dos exemplos para os quais é urgente que exista uma resposta capaz, por parte da tutela, para a sua boa resolução, sob pena de o nosso grau de autoaprovisionamento ficar ainda mais comprometido».

O presidente da Confagri também espera que seja «finalmente» reconhecida a «especificidade» das cooperativas agrícolas, bem como das associações de agricultores, e lembrou que já entregou uma proposta à ministra nesse sentido, que Maria do Céu Antunes já assumiu essa necessidade publicamente, mas que até a data, «infelizmente», ainda não se tinha passado das palavras aos actos. «É urgente que seja reconhecida esta necessidade e que seja colocada em prática uma estratégia que promova ganhos de escala, capacitação institucional e empresarial, para enfrentarem e dar respostas aos desafios destes tempos, tal como fez Espanha há uns anos, com os bons resultados que se conhecem», mencionou.

Considerou ainda que os custos fixos associados à energia, como o gasóleo e a electricidade, «deviam ser equiparados» na Península Ibérica – para que os agricultores portugueses não fiquem «desfavorecidos, num período difícil, com uma taxa de inflação muito elevada» – e que «é fundamental que haja coragem e vontade política para que haja uma isenção dos bens que compõem o cabaz alimentar base, tal como fez Espanha». Por fim, afirmou que «este é o momento de os políticos fazerem o seu papel e estarem ao lado dos agricultores e das suas organizações» e que «os agricultores e as suas organizações merecem ser reconhecidos, merecem que seja criada legislação que equilibre os três elos da cadeia produtiva, merecem que se reconheça que, apesar da covid, dos confinamentos, da guerra e dos aumentos de custos brutais que sofreram, continuaram a fazer o seu papel e a produzir alimentos seguros e saudáveis para todos».

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Notícias Recentes

posts flf (87)
Frutos Secos
CNCACSA1
Disponibilizadas gravações da conferência sobre alterações climáticas organizada pelo CNCACSA
AgroBiotech1
CAP e P-Bio divulgam relatório do estudo de aplicação de biotecnologia

Notícias relacionadas

posts flf (87)
Frutos Secos
Consulte aqui todos os artigos do Grande Plano de Dezembro dedicado aos Frutos...
CNCACSA1
Disponibilizadas gravações da conferência sobre alterações climáticas organizada pelo CNCACSA
O Centro Nacional de Competências para as Alterações Climáticas do Sector Agroflorestal...
AgroBiotech1
CAP e P-Bio divulgam relatório do estudo de aplicação de biotecnologia
No âmbito do colóquio «AgroBioTech: Uma estratégia para a agrobiotecnologia...
Milho
PDR 2020 com taxa de execução de 87%
O Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 (PDR 2020) atingiu uma “Taxa de...