«Os governos têm de criar estruturas para que as pessoas possam ter acesso à alimentação»

A frase foi proferida por Hilal Elver, relatora especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para o Direito à Alimentação, no decorrer da conferência “Direito humano a uma alimentação adequada: desafios e oportunidades a partir de diferentes geografias”, que aconteceu a 27 de Julho no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), em Lisboa.

A responsável defendeu que o Governo deve ter políticas específicas para o sector que ajudem os pequenos produtores a serem mais eficazes na sua actividade. «Apenas cerca de 30% das terras produtivas no mundo estão nas mãos de pequenos produtores e dois terços dos pobres no mundo não tem acesso à protecção social dos governos. 75% dos produtores rurais são pobres» sublinhou.

«Os governos têm de criar estruturas para que as pessoas possam ter acesso à alimentação, seja produzindo os seus alimentos, seja através de empregos, que fornecem os recursos para a aquisição dos alimentos», reforçando a necessidade de marcos jurídicos neste sector.

A título de exemplo, Hilal Elver  disse que os pequenos produtores que vivem ao redor de Nova Iorque, nos Estados Unidos da América, (mais ou menos 60 quilómetros) poderiam alimentar a cidade e também todo o Estado de Nova Iorque.

A funcionária da ONU salientou que as pequenas propriedades onde se pode praticar agricultura biológica podem ser uma boa fonte de alimentação para o mundo. «A agricultura ecológica (biológica) está mais voltada para as pequenas propriedades, com uma nova abordagem, como está a acontecer em vários locais em França. Temos de utilizar de forma mais racional o sistema ecológico para a produção agrícola».

O papel das mulheres – responsáveis por 50% da agricultura mundial – «deve ser valorizado», disse Hilal Elver.

De acordo com a agência Lusa, a relatora lembrou ainda as previsões que entre 15% a 40% das nove mil milhões de pessoas no mundo em 2050 estarão sujeitas a uma maior insegurança alimentar devido a problemas climáticos, defendendo que «é preciso utilizar os recursos naturais de forma mais sustentável, nomeadamente a água potável, utilizar a terra de forma mais eficiente, mudar hábitos alimentares e diminuir os desperdícios».

De recordar que, o último relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), 795 milhões têm fome crónica no mundo. Os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) estabeleceram a meta de, até 2015, reduzir para metade o número de pessoas que passam fome.

Pode também interessar-lhe:

PRA-TØ, um selo contra o desperdício alimentar

Fruta Feia evitou desperdício de mais de 50 toneladas de fruta

Governo quer criar ‘mercados locais’ para acabar com desperdício alimentar

 

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Notícias Recentes

plásticos
Lourinhã recebe acção de formação sobre economia circular e plásticos agrícolas
2a
CiB promove debate sobre propriedade intelectual e desenvolvimento de novas variedades de plantas
FLF 250_publirreportagem_fepal
Fepal alarga oferta de embalagens ecológicas

Notícias relacionadas

plásticos
Lourinhã recebe acção de formação sobre economia circular e plásticos agrícolas
Nos dias 9, 10 e 11 de Abril, o auditório da Câmara Municipal da Lourinhã acolhe...
2a
CiB promove debate sobre propriedade intelectual e desenvolvimento de novas variedades de plantas
No dia 8 de Abril, entre as 10h00 e as 12h30, decorre no ITQB NOVA, em Oeiras,...
FLF 250_publirreportagem_fepal
Fepal alarga oferta de embalagens ecológicas
A Fepal, empresa de referência no sector da embalagem, tem seguido a estratégia...
Vinha Douro
ADVID realiza seminário sobre necessidades do sector vitivinícola e soluções
No dia 11 de Abril, o Teatro Municipal de Vila Real acolhe o seminário “Desafios...