Orondis Ultra: Syngenta lança fungicida para prevenir míldio do tomateiro

Orondis Ultra é um novo fungicida lançado pela Syngenta, que é específico contra os míldios (oomicetas), nomeadamente para prevenção do míldio do tomateiro. Este produto contém oxatiapiprolina – «uma substância activa de um novo grupo químico com um novo modo de acção», de acordo com a Syngenta – e mandipropamida.

Segundo a Syngenta – que apresentou este novo produto nas Jornadas Técnicas de Tomate de Indústria Syngenta, realizadas a 7 de Fevereiro, no CNEMA, em Santarém –, «esta dupla tecnologia actua de forma sinérgica, protegendo de forma eficaz as folhas, os frutos e os novos lançamentos do tomateiro a doses muito reduzidas (12-20 gramas/hectare/ano)». «Conjugando o modo de acção das duas substâncias activas, o Orondis Ultra actua nas folhas das plantas de forma translaminar e com efeito sistémico, resistindo à lavagem pela chuva a partir de uma hora após a aplicação. É uma excelente ferramenta para integrar numa estratégia de gestão de resistências dos fungos», indica a empresa.

A Syngenta refere ainda que «as aplicações do Orondis Ultra devem realizar-se preventivamente, desde o desenvolvimento vegetativo até ao início da maturação, com um intervalo de sete a 10 dias». Nuno Zibaia, técnico gestor Conta Cliente da Syngenta para o Ribatejo, afirma que o «Orondis Ultra é um diamante que colocamos nas mãos do agricultor, com a sua jovem e poderosa molécula – a oxatiapiprolina – e, por isso, devemos preservar a sua eficácia, posicionando-o sempre de forma preventiva».

Nas Jornadas Técnicas de Tomate de Indústria Syngenta, evento que reuniu uma centena de agricultores e técnicos, foram divulgados os resultados de um ensaio de pulverização em tomate para indústria, realizado em 2021, na Lezíria de Vila Franca, em campos do grupo Sogepoc, pelo Ag-Innov (Centro de Excelência Agrícola do Grupo Ortigão Costa), em parceria com a Syngenta, o Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional (COTHN) e o Smart Farm Colab – Laboratório Colaborativo para a Inovação Digital na Agricultura. A Syngenta assinala que se concluiu que «a redução de 25% no volume de calda, com a mesma dose de substância activa, não afecta a eficácia dos produtos fitofarmacêuticos aplicados e reduz o impacto ambiental».

No contexto deste ensaio, foi igualmente sublinhado que «é também importante considerar a utilização de bicos “anti-deriva”, o uso de manga de ar na barra do pulverizador e a realização dos tratamentos com a barra a uma altura máxima de 50 centímetros do solo como práticas, já demonstradas, que contribuem para depositar maior quantidade de produto no alvo (plantas e frutos) e, portanto, aumentar a eficácia dos tratamentos». Relativamente ao tomate de indústria, a Syngenta diz que «detém 20% da quota de mercado nas soluções de protecção» para esta cultura em Portugal e que tem «fortes argumentos para cimentar esta posição», com Paulo Machado, director comercial da Syngenta em Portugal e na Galiza, a realçar que «o nosso portefólio de soluções responde às necessidades do mercado», que «contamos com a melhor equipa e os melhores parceiros de negócio» e que «queremos continuar a ser a referência em tomate para indústria».

O evento contou ainda com a participação dos promotores do “Projecto Tejo’, iniciativa «de fins múltiplos, que visa disponibilizar água em permanência no rio Tejo em quantidade e com qualidade para satisfazer diferentes usos, desde o turismo à agricultura». Manuel Campilho, Miguel Campilho e Jorge Froes apresentaram as mais-valias desta iniciativa, sendo que, «para a principal zona produtora de tomate para indústria, o Baixo Tejo, a concretização do “Projecto Tejo” permitirá viabilizar 210.000 hectares de regadio, eliminando praticamente na totalidade a necessidade de bombagem de água do rio para os campos agrícolas», relata a Syngenta.

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Notícias Recentes

posts flf (87)
Frutos Secos
CNCACSA1
Disponibilizadas gravações da conferência sobre alterações climáticas organizada pelo CNCACSA
AgroBiotech1
CAP e P-Bio divulgam relatório do estudo de aplicação de biotecnologia

Notícias relacionadas

posts flf (87)
Frutos Secos
Consulte aqui todos os artigos do Grande Plano de Dezembro dedicado aos Frutos...
CNCACSA1
Disponibilizadas gravações da conferência sobre alterações climáticas organizada pelo CNCACSA
O Centro Nacional de Competências para as Alterações Climáticas do Sector Agroflorestal...
AgroBiotech1
CAP e P-Bio divulgam relatório do estudo de aplicação de biotecnologia
No âmbito do colóquio «AgroBioTech: Uma estratégia para a agrobiotecnologia...
Milho
PDR 2020 com taxa de execução de 87%
O Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 (PDR 2020) atingiu uma “Taxa de...