Manifestações de agricultores em vários pontos do país

Estão em curso hoje, 1 de Fevereiro, várias manifestações de agricultores em diversos pontos do país. Às 10h00, estavam bloqueadas com tractores e maquinarias agrícolas, nos dois sentidos, as autoestradas A6 (em Elvas – em vários pontos) e A25 (em Vilar Formoso, na Guarda), bem como decorriam marchas lentas em Chamusca, em Mogadouro e na Mimosa, entre outros locais.

Estes protestos terão sido organizados por uma entidade designada “Movimento Cívico de Agricultores” e, tanto quanto se sabe, não envolvem partidos, associações sectoriais ou sindicatos. Os manifestantes queixam-se de «desprezo», de falta de apoio por parte das instituições públicas, de quebra de rendimento e falta de tesouraria, de aumento de custos de produção, de regras excessivas e de concorrência de importação de produtos em condições distintas daquelas a que estão sujeitos os produtos agrícolas da União Europeia, entre outros pontos, e não é ainda claro em que condições estes protestos terão fim.

Estas manifestações acontecem depois de uma polémica, que teve início na semana passada, em torno dos cortes nos apoios nos ecorregimes de 35% (Agricultura Biológica) e 25% (Produção Integrada). Ontem, 31 de Janeiro, o ministro das Finanças e da ministra da Agricultura e da Alimentação anunciaram em Lisboa um conjunto de apoios ao rendimento para os agricultores nacionais – incluindo a reposição do valor dos ecorregimes que tinha sido alvo de cortes acima referidos. Antes, no mesmo dia, a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) tinha anunciado que, na sequência de negociações com o Governo, havia um compromisso do Governo e do Primeiro-Ministro de repôr o valor que tinha sido alvo de cortes, após obter autorização da Comissão Europeia para este fim.

De igual forma, têm estado a decorrer manifestações de agricultores em vários países da União Europeia – Alemanha, Bélgica (nomeadamente em Bruxelas), Espanha, França, Grécia, Holanda, Itália, Polónia, Roménia –, devido a problemas como a queda de rendimento, o aumento dos custos de produção, as regras impostas à agricultura pelas Comissão Europeia, a importação de produtos agrícolas de origens não sujeitas aos mesmos requisitos dos produtores da UE e a falta de apoios, entre outros pontos. Ontem, 31 de Janeiro, a Comissão Europeia anunciou a proposta de excepção, durante o ano de 2024, da obrigação de os agricultores da União Europeia manterem terras aráveis em pousio – desde que existam culturas fixadoras de azoto ou secundárias – e, ainda assim, poderem continuar a receber os pagamentos directos.

[imagem: Aberdeen-Angus Portugal]

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Email

Notícias Recentes

Alqueva
EDIA disponibiliza Anuário Agrícola de Alqueva de 2023
4a
Grow Field Days promove visitas de campo com foco no microbioma do solo
fig-972271_1280
Workshop “Figos para o Futuro: capacitar os pequenos produtores através do desenvolvimento de novos modelos de negócio”

Notícias relacionadas

Alqueva
EDIA disponibiliza Anuário Agrícola de Alqueva de 2023
A Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas de Alqueva (EDIA) disponibilizou...
4a
Grow Field Days promove visitas de campo com foco no microbioma do solo
No âmbito da iniciativa “Grow Field Days”, com o mote “De agricultor para agricultor!”,...
fig-972271_1280
Workshop “Figos para o Futuro: capacitar os pequenos produtores através do desenvolvimento de novos modelos de negócio”
O projecto InovFarmer.MED apresenta o seu primeiro workshop, focado na cadeia...
FLF 250_entrevista_porbatata
«Tem de haver uma maior partilha de risco»
As perpespectivas para a campanha, os problemas com a batata de semente e o...