Instituto Superior de Agronomia responsável por projecto dedicado à produção com elevada eficiência de azoto

O projecto PDR2020 NEP-High Nitrogen Efficient crop Production for Better Water Management, que reúne oito organizações portuguesas, iniciou-se no final de 2017 e, ao longo destes anos, tem desenvolvido dois novos produtos agrícolas de baixa pegada de azoto (nitrogénio): o tomate indústria e a uva para a produção de vinho.

O projecto é da responsabilidade do ISA – Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa e intervém nas regiões de Viseu, de Évora e de Montemor-o-Novo (uva) e ainda em Benavente, na Azambuja e em Salvaterra de Magos (tomate indústria).

O azoto constitui 78% do ar que se respira, como gás inerte não reactivo. Mas só os compostos reactivos é que podem ser absorvidos pelas plantas. Como esses compostos reactivos também se perdem para o ambiente, há que encontrar soluções inovadoras para produzir uva e tomate com a menor pegada de azoto possível.

Ao mesmo tempo, há que criar um efeito demonstrador, na organização das práticas agrícolas, que vise a utilização do azoto num compromisso entre a produtividade e a sustentabilidade ambiental.

Assim, através do projecto NEP, a produção agrícola de baixa pegada de azoto será uma aposta para a resolução do problema do excesso deste nutriente. O que abre a oportunidade para criar novos produtos de mercado na óptica da uva e do tomate.

Em Portugal, «é importante garantir a qualidade da água, do solo e da atmosfera e a mitigação das perdas de azoto das práticas agrícolas convencionais», defendem os investigadores.

Durante o projecto NEP está também a desenvolver-se uma ferramenta de cálculo da pegada de azoto para estes dois produtos agrícolas.

«Desde o início do século XX que a produção industrial de adubos minerais azotados permitiu alimentar a população mundial. No entanto, essa produção tem causado mudanças sem precedentes no ciclo do azoto, devido à baixa eficiência do seu uso e à acumulação de azoto reativo no ambiente», diz Cláudia Marques dos Santos, professora do ISA e coordenadora do projeto NEP nesta universidade. Afirma ainda que: «O excesso de transformação industrial do azoto atmosférico não-reactivo, em todos os outros compostos de azoto reactivo, ameaça a qualidade do ar, da água e do solo e produz mudanças na biodiversidade e nos ecossistemas. Apesar de, actualmente, o azoto reactivo que se perde para o ambiente ter ultrapassado a capacidade de assimilação na natureza, ainda é possível reverter a situação. Este projecto contribui para este objectivo».

As actividades agropecuárias contribuem para a emissão de amoníaco para a atmosfera, consequentes chuvas ácidas, acidificação dos solos, perda de biodiversidade e o declínio da qualidade da água. E por isso, surge a necessidade de consciencialização – através da criação do conceito de Pegada do Azoto – para que se consiga medir o impacto de cada actividade no enriquecimento do ambiente com azoto reactivo.

O ISA – Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa conduz o projecto NEP, em colaboração com sete organizações parceiras beneficiárias, que apoiam na sua execução: a Benagro – Cooperativa Agrícola de Benavente, o CCTI – Centro de Competências para o Tomate Indústria, a FEA – Fundação Eugénio de Almeida, a Lusovini Distribuição, a Reguenguinho-Sociedade Agrícola e a Sociedade Agro-Pecuária do Vale da Adega.

Mais informações aqui.

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Notícias Recentes

posts flf (87)
Frutos Secos
CNCACSA1
Disponibilizadas gravações da conferência sobre alterações climáticas organizada pelo CNCACSA
AgroBiotech1
CAP e P-Bio divulgam relatório do estudo de aplicação de biotecnologia

Notícias relacionadas

posts flf (87)
Frutos Secos
Consulte aqui todos os artigos do Grande Plano de Dezembro dedicado aos Frutos...
CNCACSA1
Disponibilizadas gravações da conferência sobre alterações climáticas organizada pelo CNCACSA
O Centro Nacional de Competências para as Alterações Climáticas do Sector Agroflorestal...
AgroBiotech1
CAP e P-Bio divulgam relatório do estudo de aplicação de biotecnologia
No âmbito do colóquio «AgroBioTech: Uma estratégia para a agrobiotecnologia...
Milho
PDR 2020 com taxa de execução de 87%
O Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 (PDR 2020) atingiu uma “Taxa de...