Capital para investir em Natural Capital na Europa cresce 200% em 2023 para 5,3 mil M€

Numa altura em que os investidores procuram cada vez mais aliar um retorno financeiro competitivo a um impacto social e ambiental positivo, o investimento em activos agrícolas e florestais está a crescer em todo o mundo. De acordo com um estudo desenvolvido em parceria pela consultora imobiliária JLL e pela consultora agrícola Consulai sobre este mercado de Natural Capital, em 2023 (até à data), foram levantados €5.3 mil milhões de capital para investir neste sector na Europa Ocidental. Este volume apresenta um crescimento de 200% face aos €1.8 mil milhões contabilizados em 2022.

O estudo destaca a importância deste valor, uma vez que representa 52% do total levantado “Worldwide” (€10.2 mil milhões), demonstrando o crescente interesse do investimento na Europa ocidental e da Península Ibérica. Em 2022, apenas 27% do capital levantado tinha como target a Europa ocidental.

A Consulai e a JLL acreditam que a Península Ibérica é sem dúvida um dos mercados que contribuiu para a crescente atractividade e que beneficiará deste fluxo, com um volume de investimento em natural capital que continue a superar os €1.000 milhões em 2024.

Ainda a dar os primeiros passos no investimento em activos agrícolas e florestais, mas com elevado potencial de crescimento, Portugal tem capacidade para dinamizar transações e operações de M&A superiores a €500 milhões nos próximos dois anos.

Gonçalo Ponces, Head of Development & Natural Capital da JLL, explica que «a tendência de diversificação dos investimentos associada às exigências de sustentabilidade, têm potenciado o interesse dos investidores por activos que servem de base a actividades agrícolas e florestais. Além de retornos interessantes e estáveis e um perfil de risco muito atractivo, este é um investimento com um papel activo na captação de carbono, com bom impacto no meio ambiente e na sociedade. Por isso mesmo, há cada vez mais capital a direccionar-se para este tipo de imóveis e Portugal está numa excelente posição para captar uma fatia deste valor. A julgar pelo interesse que temos recebido dos investidores, este é um sector que poderá, em dois anos, representa um volume transacional superior a €500 milhões no nosso país», diz.

Pedro Santos, director-geral da Consulai, explica que «este bom posicionamento de Portugal se justifica pelo facto de o país ter um enorme potencial ainda por desenvolver nestas áreas, dispondo de excelentes condições naturais para estas actividades e diversas vantagens competitivas em termos dos factores e custos de produção». E detalha: «Temos boas condições climáticas, solos férteis, disponibilidade de água, capacidade de produção de uma enorme diversidade de culturas, desde olival, a frutos vermelhos, frutos secos ou vinha, bem como preços de activos mais competitivos face a outros mercados e custos de produção relativamente mais baixos. Isto associado a um mercado que tem crescido, como se vê pelo facto de sermos o 5º produtor de olival a nível mundial e um dos maiores exportadores de vinhos, mas que tem ainda um enorme espaço para expandir. Temos uma excelente proposta de valor para quem pretende investir na área de Natural Capital».

Em termos de retornos, esta é uma área em que a rentabilidade exigida pelos investidores varia de acordo com as condições contratuais, do mercado de cada tipo de cultura, segurança da água, idade os activos biológicos, estimativas futuras de custos e receitas, caraterísticas do imóvel e localização, entre outros factores. No entanto, o estudo revela yields indicativas para o investimento deste tipo de activos.

Para investimentos em culturas permanentes instaladas (com operação do proprietário ou contrato de gestão), os investidores normalmente exigem um retorno anual variável entre 7% a 9%. Já em investimentos para plantação e desenvolvimento de novos projectos, é necessária uma taxa interna de retorno (TIR) que pode variar de 10% a 14%.

No entanto, o estudo salienta que o acima mencionado não representa um padrão para todos os investimentos, uma vez que também existem investimentos em áreas agrícolas de sequeiro e floresta com menor risco, com um retorno anual exigido entre 4% a 6%, e algumas culturas de alto valor (como por exemplo em estufas), que pode alcançar um retorno anual de dois dígitos bem superior ao indicado.

Uma tendência identificada neste relatório de Research é a aceitação de uma taxa de retorno mais baixa, contra um maior benefício ambiental e social, uma vez que alguns Investimentos de Natural Capital têm sido motivados por uma verdadeira e genuína preocupação com o planeta e a sociedade.

«Estamos a tratar de retornos muito interessantes para o risco que a maior parte destes investimentos envolve, sendo esta uma das razões que atrai um número crescente de investidores», nota Gonçalo Ponces. «Mas é também pelo impacto positivo que estes investimentos têm. Desde logo a nível da sustentabilidade ambiental, pois áreas agrícolas e florestais têm a capacidade de captar carbono e podem ter um papel muito importante na compensação das emissões, sendo extremamente atractivas para os investidores no quadro das exigências crescentes de descarbonização. Vamos ver cada vez mais actividade neste sector”, termina Gonçalo Ponces.

De acordo com este estudo, o complexo agroflorestal representa 5,1% do PIB nacional, num país que dispõe de mais de 560.000 hectares de áreas de regadio. No sector agrícola, as culturas permanentes mais relevantes são o olival, a vinha e o amendoal, ao passo que em termos de culturas anuais, o país evidencia-se pelas plantações de cereais para forragem, tomates para transformação e arroz.

No sector florestal, que cobre 3,2 milhões de hectares, 26% da área é dedicada ao eucalipto, 22% ao pinheiro-bravo e 22% à cortiça.

O estudo “Natural Capital – Roadmap for Sustainable Investment in Agriculture & Forestry” foi desenvolvido em parceria pela JLL e pela Consulai. Traça um retrato detalhado do mercado de Natural Capital em Portugal com foco nas áreas agrícola e florestal, nas componentes de investimento e de operação. Além das vantagens do investimento nesta área, o relatório caracteriza estes dois sectores em Portugal em termos territoriais, de espécies e indicadores de custos e proveitos, entre outros.

O panorama ibérico mais amplo também é abordado neste estudo, que apresenta ainda as principais tendências e factores de diferenciação dos activos de Natural Capital e perfis de investimento mais activos nestas áreas a nível global.

Consultar o estudo aqui.

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Email

Notícias Recentes

José Manuel Fernandes
José Manuel Fernandes é ministro da Agricultura e Pesca do XXIV Governo Constitucional
3b
Santarém recebe III Colóquio sobre o Uso Sustentável dos Pesticidas a 24 de Maio
Alqueva
EDIA disponibiliza Anuário Agrícola de Alqueva de 2023

Notícias relacionadas

José Manuel Fernandes
José Manuel Fernandes é ministro da Agricultura e Pesca do XXIV Governo Constitucional
O até agora eurodeputado José Manuel Ferreira Fernandes é o nome proposto para...
3b
Santarém recebe III Colóquio sobre o Uso Sustentável dos Pesticidas a 24 de Maio
A Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Santarém (ESAS) vai ser...
Alqueva
EDIA disponibiliza Anuário Agrícola de Alqueva de 2023
A Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas de Alqueva (EDIA) disponibilizou...
4a
Grow Field Days promove visitas de campo com foco no microbioma do solo
No âmbito da iniciativa “Grow Field Days”, com o mote “De agricultor para agricultor!”,...