Anunciados resultados da 4.ª edição do programa TalentA

Ana Teresa Matos, com o projecto “Reserva do Vale Velho” – em Folgosinho, no município de Gouveia –, venceu a 4ª edição do programa TalentA, iniciativa promovida pela Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) e pela Corteva Agriscience para divulgar e reconhecer projectos desenvolvidos por empreendedoras rurais. O projecto de Ana Teresa Matos, que se formou em biologia e ecologia, visa continuar a recuperar a área degradada de “Casal das Pias” com reflorestação das espécies nativas, prática de agricultura sustentável e a preservação da cultura local.

No evento on-line em que foi anunciada a vencedora, o qual teve lugar a 7 de Março, véspera do Dia Internacional da Mulher, também foram reveladas as duas finalistas premiadas, que vão ter acesso a formação. A vencedora do primeiro prémio da quarta edição do programa TalentA «irá receber ainda um apoio financeiro de 5.000 euros para a implementação do seu projecto», refere a organização.

Uma das finalistas foi Diana Costa, com a sua “Quinta da Mourisca”, «um projecto familiar do Alendouro que visa revitalizar a região, combinando tradição e inovação na produção de alimentos biológicos», explicam os promotores do TalentA. Acrescentam que «as mulheres desempenham um papel crucial na Quinta da Mourisca, representando 70% da equipa», e que «a sustentabilidade é uma prioridade, com práticas para a reutilização de recursos e reduzir o desperdício».

A outra finalista foi Diana Rego, com o projecto local “Criatura”, em Penafiel, «que trabalha directamente com pequenos agricultores, transformando excedentes de plantas aromáticas e frutas em produtos inovadores». «Além de dar uma nova vida a produtos com menor valor comercial, este projecto valoriza também a profissão dos pequenos agricultores, reduzindo o desperdício alimentar e contribuindo para a economia local e conservação da biodiversidade. Todos os produtos são formulados com matérias-primas biológicas portuguesas e certificadas, promovendo práticas agrícolas sustentáveis», assinala a organização.

Segundo a organização, «o júri, composto por representantes especializados de ambas as entidades, avaliou diferentes critérios, que vão desde a inovação, o combate à desertificação, o impacto e a sustentabilidade dos projectos inscritos, o empoderamento económico até à possibilidade de réplica de negócio». O programa TalentA decorre noutros países e foi lançado em 2021 em Portugal – «um país onde apenas 33% das mulheres lideram projectos agrícolas e pecuários», realça a organização –, tendo, nas suas quatro edições no país, recebido mais de 250 candidaturas.

Esta iniciativa pretende «contribuir para o futuro rural» e «colocar em relevo o talento rural no feminino» e a importância da mulher «no futuro do panorama rural português». Também tem como objectivo «empoderar as empreendedoras rurais e capacitar os seus projectos com formação e financiamento, contribuindo para a sua expansão». A Corteva Agriscience diz que, graças ao programa TalentA já conseguiu «empoderar mais de mil mulheres rurais de nove países, incluindo Portugal».

«Por mais um ano, estamos muito orgulhosos por ajudar a elevar o papel das mulheres rurais na agricultura, que, apesar das barreiras sentidas ano após ano, não baixam os braços e continuam empenhadas em revitalizar o mundo rural e liderar a transformação positiva do panorama rural nacional. Na Corteva, sabemos que as mulheres são a espinha dorsal do mundo rural e acreditamos que a formação e o apoio financeiro são a chave de sucesso para a implementação de qualquer projecto. É com muito agrado que concluímos a 4 ª edição deste programa e reforçamos que a nossa missão é continuar a empoderar as mulheres rurais em prol de um futuro agrícola mais sustentável e com mais igualdade», afirmou Clara Serrano, vice-presidente da Unidade Comercial do Sul da Europa na Corteva Agriscience, empresa que opera nas vertentes de sementes, produtos para protecção das culturas e soluções digitais. Luís Mira, secretário-geral da CAP, defendeu que «as três novas vencedoras são um impulso para o sector, com projectos que se distinguem pela sustentabilidade e reabilitação rural», e que «é este o caminho em que acreditamos para a sobrevivência da cadeia agrícola e pecuária».

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Email

Notícias Recentes

Alqueva
EDIA disponibiliza Anuário Agrícola de Alqueva de 2023
4a
Grow Field Days promove visitas de campo com foco no microbioma do solo
fig-972271_1280
Workshop “Figos para o Futuro: capacitar os pequenos produtores através do desenvolvimento de novos modelos de negócio”

Notícias relacionadas

Alqueva
EDIA disponibiliza Anuário Agrícola de Alqueva de 2023
A Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas de Alqueva (EDIA) disponibilizou...
4a
Grow Field Days promove visitas de campo com foco no microbioma do solo
No âmbito da iniciativa “Grow Field Days”, com o mote “De agricultor para agricultor!”,...
fig-972271_1280
Workshop “Figos para o Futuro: capacitar os pequenos produtores através do desenvolvimento de novos modelos de negócio”
O projecto InovFarmer.MED apresenta o seu primeiro workshop, focado na cadeia...
FLF 250_entrevista_porbatata
«Tem de haver uma maior partilha de risco»
As perpespectivas para a campanha, os problemas com a batata de semente e o...