VMT_Crasto

UTAD e Altice Labs desenvolvem projecto para preservar património enológico no Douro

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e a Altice Labs estão a desenvolver o projecto “eno-Analytics”, que visa «criar um sistema inteligente que auxilie a identificar castas na região do Douro e a estabelecer correlações com qualidade do vinho, com recurso à Internet das Coisas (IoT) e a técnicas de machine learning». Esta iniciativa, enquadrada no Plano de Inovação 2020 da Altice Labs, está a ser desenvolvida na Quinta do Crasto, situada na Região Demarcada do Douro, na sequência do projecto “PatGenvinhas”, iniciado em 2013, também nesta exploração, devido à «necessidade de preservação da emblemática vinha velha Maria Teresa (VMT), que tem mais de 100 anos».

O “eno-Analytics” pretende «complementar» o trabalho iniciado em 2013, afirma Salviano Soares, que, com António Valente, ambos docentes e investigadores da ECT/UTAD, coordena o projecto, no âmbito duma tese de Doutoramento em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores por Sérgio Silva, sendo que a iniciativa conta também com Filipe Cabral Pinto, da Altice Labs, na equipa de supervisão. O objectivo é criar «um sistema inteligente capaz de dar suporte à identificação das castas da VMT, de modo a preservar esse património genético de elevado valor, e também, numa perspectiva de extensão sensorial, instalar uma infraestrutura de recolha de dados heterogéneos, nomeadamente os obtidos por sensores IoT, normalmente associados à viticultura de precisão, que sejam dotados de capacidades de comunicação LoRa/NBIoT, onde serão testadas várias soluções proprietárias e inovadoras do consórcio, que recentemente foi enriquecido com a Globaltronic e a GeoDouro», diz.

Salviano Soares realça que a possibilidade de estabelecer e compreender as correlações num terroir histórico através da aplicação de metodologias emergentes – de Processamento Digital de Sinal para IoT ou Inteligência Aumentada com comunicações LoRa/NB-IoT –, constitui um «desafio de engenharia estimulante, dadas as condições muitas vezes adversas associadas à especificidade da viticultura em altura no Douro». O “eno-Analytics” prevê a instalação de um piloto, designado Lab in-situ@Crasto, onde serão realizados testes e ensaios com investigadores, professores e alunos, promovendo também a «produção de especificações comerciais, com vista a demonstrar a aplicabilidade à indústria vitivinícola e replicação no sector agrícola ou outros», explica o investigador.

«Do desenvolvimento do projecto poderão surgir algumas externalidades positivas, decorrentes da analítica que permitirá elevar os “dados” à categoria de “informação”, pois, ao caracterizar o património vitivinícola, sobretudo o património desconhecido, estão criadas as condições para que a preservação seja um legado às futuras gerações de viticultores, continuando a garantir o factor diferenciador associado à identidade das regiões, neste caso reconhecida como Património Mundial pela UNESCO [Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura]», sublinha Salviano Soares. Recorde-se que a ECT/UTAD colabora há mais de 15 anos com a Altice Labs – empresa do grupo Altice, sucedânea da PT Inovação – e que o principal objectivo do projecto “PatGenvinhas”, acompanhado por Salviano Pinto Soares, foi caracterizar a variedade de castas nas aproximadamente 30.000 plantas que fazem parte da VMT e que terminou no fim de 2019, com a «identificação de mais de 50 castas diferentes, entre tintas, bancas e rosadas, algumas extremamente raras e ainda não genotipadas».

 

Fotografia: Réplica digital da Vinha Maria Teresa (Quinta do Crasto)




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fotogaleria