IMG_8979

«O azeite é uma cultura que tem sempre mercado»

Luís Mira Coroa foi o produtor convidado para falar sobre a cultura do olival, no contexto da segunda sessão das “Conversas sobre agricultura: algumas culturas relevantes para Portugal”, realizada a 10 de Maio, no Instituto Superior de Agronomia (ISA). Durante a sessão, declarou que «bom ou mau, o azeite está sempre vendido. É uma cultura que tem sempre mercado».

O geógrafo e produtor de azeite, com produção no Baixo Alentejo, contou que «a beterraba desapareceu, o milho era muito consumidor de água», pelo que optou por dar preferência ao “ouro líquido”. Porque a «oliveira define o clima mediterrânico, não se fala de adaptar uma cultura». Além disso, é «ambientalmente correcta, saudável e adaptada à paisagem».

Para conseguir bons resultados há que escolher «uma variedade produtiva». Para o produtor, são a Arbequina, a Picual e a Cobrançosa.

Durante a sua intervenção, Luís Mira Coroa defendeu que «sem água não há agricultura» e que esta representa 6% da conta da cultura do olival.

Mariana Matos, secretária-geral da Casa do Azeite, também integrou o painel de oradores do evento. A responsável recordou que «o Alentejo tem condições extraordinárias para a produção do azeite». É na região que se concentram 76% da produção nacional.

Em termos de preferências do consumidor, o azeite virgem extra «tem ganho quota de mercado» e tem aumentado o consumo de azeite através dos supermercados (63%), notou Mariana Matos.

O ciclo de conferências foi promovido por alunos do ISA em parceria com a Agroges e termina a 17 de Maio, com uma sessão dedicada à cultura do amendoal.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fotogaleria